O atalho para a felicidade

Orientação

Parece um destino utópico, mas é realmente possível viver a vida como um emoji sorridente graças a este guia simples.

Última atualização: 10 de dezembro de 2021
Leitura de 7 min
3 formas de viver uma vida mais feliz, segundo os psicólogos

Já alguma vez tiveste aquela sensação desagradável de que devias estar mais feliz do que estás? Em termos teóricos e no Instagram, a tua vida parece fantástica, conseguiste o estágio ou o emprego que querias, um apartamento agradável, um enorme círculo social, etc., e não consegues apontar nada que te pareça realmente errado. Mesmo assim, não consegues evitar uma ligeira sensação de vazio.

De acordo com o reconhecido psicólogo Martin Seligman, doutorado, não estás verdadeiramente feliz, mas sim simplesmente a viver o que tens. Concentrares-te apenas nos sinais mais agradáveis (como comprar roupa nova ou um telemóvel novo) ou acumular experiências e conquistas (como ganhar outra corrida ou terminar o semestre com uma média perfeita) pode dar-te alguma felicidade momentânea. No entanto, esta não será duradoura, afirma Seligman.

Na opinião de Seligman, a felicidade autêntica acontece quando vivemos uma vida plena em termos de realizações. Encontrar coisas que nos cativam e dedicarmos tempo às atividades e aos relacionamentos realmente importantes para nós dão origem a uma sensação de realização duradoura. São estas coisas que irão realmente preencher o teu lado emocional.

"Trata-se de fazer um percurso e não da sensação de alcançar alguma coisa."

Melissa Green
Doutorada, psicóloga clínica inscrita na ordem dos psicólogos nacional

Três passos para a evolução

A ideia de encontrar e aproveitar o teu propósito pode ser um pouco assustadora. Não penses nisso como trabalhar no sentido de uma coroação, onde irás finalmente alcançar o nirvana da felicidade autêntica e sentir êxtase permanente. "Trata-se de fazer um percurso e não da sensação de alcançar alguma coisa", explica a psicóloga clínica doutorada Melissa Green. "Não se trata de fazer algo em grande e já está."

Para além disso (e isto é muito importante!): trabalhar no sentido de uma felicidade autêntica não tem de ser uma tarefa gigante. Não precisas de rever toda a tua vida nem desistir de todos os teus bens materiais nem meditar durante uma ou mesmo cinco horas todas as manhãs. Basta começares a seguir estas ações básicas da teoria de Seligman.

1. Acrescentar mais momentos de alegria imediata (com moderação).

Como funciona: segundo Green, fazer algo agradável pode dar-te um aumento imediato de felicidade graças à libertação de dopamina, um neurotransmissor que influencia o humor. Imagina dominares uma elevação sem ajudas, tomares o teu café matinal no exterior ou acrescentares uma nova planta à tua coleção.

Na verdade, quando se trata de melhorar o teu estado de espírito, usufruir de um maior número de períodos breves de prazer ou felicidade (como os mencionados acima) pode ter um impacto mais prolongado do que os períodos maiores, mas em menor quantidade, como uma grande promoção ou mesmo um casamento. "É por isso que é importante saborear as pequenas alegrias", diz Green.

Experimenta: provavelmente já estás a pensar na parte de perseguir as coisas agradáveis, não é? O importante é garantir que não estás constantemente a procurar a próxima coisa fantástica, pois isso poderá deixar-te com menos conteúdo do que o que tens agora, diz Green. Se uma comissão, uma televisão maior ou a próxima festa forem as tuas formas principais (ou únicas) de gratificação, está na hora de começares a colocar o foco em ti, explica Aaron Weiner, doutorado, psicólogo de acompanhamento permanente e anfitrião do podcast Let's Talk. O próximo passo deixa-te mais perto…

3 formas de viver uma vida mais feliz, segundo os psicólogos

2. Encontrar atividades que requeiram o teu total compromisso.

Como funciona: comer e fazer compras é divertido, mas fazeres algo que fomenta o teu compromisso é muito mais gratificante. O compromisso é a sensação de estarmos totalmente absorvidos por alguma coisa, por exemplo, quando te abstrais a meio de uma corrida longa, quando te deixas envolver por um livro fantástico ou quando te focas totalmente durante uma sessão de ioga. Se alguém te perguntasse como te sentes, não terias necessariamente de responder que estás feliz, mas provavelmente dirias que te sentes em paz, afirma a psicóloga clínica Carla Marie Manly, doutorada e autora do livro Joy From Fear. Estás numa espécie de fluxo, em que o teu cérebro deixa de te distrair porque o teu foco está totalmente no momento.

Experimenta: é provável que consigas identificar alturas no teu dia ou da semana em que o teu compromisso está totalmente orientado para alguma coisa (e a desfrutar com isso, portanto, provavelmente não será uma reunião no Zoom). Contudo, se as coisas que costumavas fazer antes de a vida ficar de pernas para o ar ficaram pelo caminho ou deixaram de te interessar, está na altura de voltares à estaca zero. "Assim que disseres que queres mais (quando estás a meio de uma atividade), é sinal de que pretendes comprometer-te com a mesma", diz Manly.

Começa por pensar em atividades que favorecem os teus pontos fortes. "Quanto mais dedicação sentires, maior o compromisso em relação a determinada atividade", diz Manly. Se és o tipo de pessoa que adora aprender, experimenta praticar um novo desporto. Tens algo plantado em casa? Junta-te a uma horta comunitária e começa a plantar os teus próprios legumes. Não consegues evitar em tirar uma fotografia sempre que vês algo bonito? Visita museus locais ou inscreve-te num curso de fotografia.

Uma segunda opinião também pode ser útil se sentires que ainda estás com dificuldade para encontrares a tua motivação. Pergunta à tua cara-metade ou a um amigo sobre as situações em que o teu compromisso parece estar no máximo ou quando simplesmente transbordas felicidade, recomenda Green. Podes igualmente começar a apontar as coisas: todos os dias, escreve três momentos nos quais sentiste um compromisso total, experimentaste algo que te marcou ou que fizeste algo mesmo muito bem. Em seguida, pensa sobre o motivo. De acordo com estudos, esta atividade, por si só, pode aumentar a tua felicidade. Com o tempo, poderá dar-te uma pista sobre aquilo com que te realmente importas.

3. Fazer algo pelos outros.

Como funciona: de acordo com Seligman, a verdadeira sensação de realização surge quando sentimos que temos algum significado no mundo. Na verdade, trata-se de termos um propósito na vida que represente os grandes valores que nos são realmente importantes. Pensa em qualidades como a bondade, a gratidão, a justiça e a coragem.

A sensação de haver um sentido aparece quando sentimos que as nossas ações estão a fazer algum tipo de diferença. "Agir com compaixão e ajudar ativamente os outros é uma das formas mais comprovadas através das quais a maior parte das pessoas pode encontrar um sentido e acrescentar uma dose de alegria às suas vidas", afirma Weiner. Apoiar uma ideia ou um movimento em que acreditas é outra forma. "O traço em comum é a contribuição para algo maior do que nós próprios", diz.

Experimenta: não faltam formas de encontrarmos um sentido, seja a fazer voluntariado, ter um trabalho que nos satisfaça, apoiar uma causa política ou mesmo explorar a espiritualidade. O fundamental é encontrarmos as ações que se alinham com aquilo que é realmente importante para nós e que fazemos bem, diz Weiner.

Na tua vida profissional, procura uma empresa cujos valores essenciais (por exemplo, a diversidade e a equidade no local de trabalho, ou a dedicação a uma pegada de carbono mais leve) correspondam aos teus próprios valores, diz Weiner, assim como uma que te permita trabalhar em algo em que realmente acreditas. Durante o teu tempo pessoal, elabora uma estratégia sobre onde deves investir a tua energia e faz com que os compromissos importantes valham a pena, de forma a manteres a paixão, conclui.

Se tens uma capacidade de liderança natural e te preocupas com o meio ambiente, poderás sentir um grande entusiasmo ao organizares uma limpeza de um parque ou uma corrida para angariação de fundos para a vida selvagem. Adoras falar com as pessoas e conhecer diferentes perspetivas? Inscreve-te na entrega de refeições a pessoas necessitadas ou participa numa campanha porta a porta para divulgares informações importantes sobre uma causa especial para ti, sugere Weiner.


Poderás pensar que isto são passos de gigante em relação ao teu momento atual. Por isso, basta dizeres que sim a algo: arranja tempo para um pequeno encontro com os halteres, começa a apostar num novo passatempo ou compromete-te com algum tipo de voluntariado. Existe uma pequena possibilidade de te vires a arrepender e uma grande probabilidade de te sentires extremamente feliz.

Texto: Marygrace Taylor
Ilustração: Kezia Gabriella

3 formas de viver uma vida mais feliz, segundo os psicólogos

Vai mais longe

Para obteres mais orientação especializada sobre recuperação, bem como sobre mentalidade, movimento, nutrição e sono, consulta a Nike Training Club App.

Vai mais longe

Para obteres mais orientação especializada sobre recuperação, bem como sobre mentalidade, movimento, nutrição e sono, consulta a Nike Training Club App.

Histórias relacionadas

Como exponenciar a tua rotina de treino

Orientação

Aumenta o ritmo da forma certa

Como fortalecer a confiança em ti mesmo

Orientação

Luta pelos teus objetivos com mais confiança

Como reagir de forma mais positiva

Orientação

Como responder de forma mais positiva a (praticamente) tudo

Como prevenir lesões comuns relacionadas com o running, segundo os especialistas

Orientação

Protege o teu corpo das lesões

Como evitar o sono interrompido, segundo os médicos especialistas em sono

Orientação

O sono interrompido faz mesmo diferença?