....
Nike Football
In Mallory Pugh's Own Words

Nas próprias palavras da Malory Pugh: "Vim para ganhar"

"Toda a minha vida, tanto quanto sei, só queria ver futebol, praticar futebol, jogar futebol. Ou seja, estar totalmente envolvida no futebol. Finalmente, tudo começou a ganhar forma em 2017, altura em que fui obrigada a tomar uma grande decisão.

Passo a apresentar-me: tenho 18 anos e entrei na UCLA com uma bolsa de futebol. Por outras palavras, estou a fazer tudo aquilo que qualquer jogador de futebol dos EUA deve fazer. Participamos em campos de férias de futebol, trabalhamos muito, conseguimos uma bolsa universitária e, depois de acabarmos o curso, dedicamo-nos a uma carreira profissional. Simples, certo? OK, talvez não seja assim tão simples. Mas é essa a ordem das coisas: começamos no ponto A. Em seguida, se formos suficientemente bons, passamos ao ponto B.

In Mallory Pugh's Own Words

Uma noite, lembro-me de ir para a cama e sentir bastante ansiedade. Por isso, antes de ir dormir, rezei. Perguntei a quem quer que esteja lá em cima: "Quando acordar amanhã de manhã, podes... enviar-me um sinal? Ajudas-me a saber se estou no caminho certo? Ajudas-me a saber o que quero fazer?". Essa noite, fui para a cama e tive um sonho.

Nesse sonho, estava sozinha num quarto escuro. De repente, comecei a ver umas luzinhas. Umas luzinhas que apareceram do nada e, a seguir, formaram uma luz gigante?! Não fazia sentido algum (por favor, não se riam do meu sonho). No entanto, da forma mais estranha possível, juro que este sonho ridículo me mostrou realmente aquilo que precisava de fazer. Seguindo o meu próprio subconsciente bizarro, acordei a sentir que sabia a mensagem que aquele sonho tinha para me transmitir. Liguei à minha família naquela manhã para lhes dizer que tinha tomado uma decisão: ia abandonar os estudos e dedicar-me a uma carreira profissional.

"Nós sabemos", disse o meu pai. "Estamos orgulhosos de ti".

In Mallory Pugh's Own Words

Agora, tenho um objetivo. É para este ano, para este torneio e para o que vier a seguir: quero ser a melhor em tudo o que faço. A Mia Hamm foi uma das minhas maiores heroínas ao crescer. Por isso, espero conseguir deixar a minha marca este verão.

Mas, ao mesmo tempo, temos de ser francos. Ainda só tenho 20 anos. Além disso, independentemente da determinação do meu discurso ou da minha confiança em relação aos meus objetivos para o campeonato do mundo e para o que vier a seguir, existe uma parte de mim que continuará a ser sempre a Mal que todos conhecem: alguém que aprende à medida que avança e ganha algumas cicatrizes durante o caminho. A fanática do futebol que não joga apenas pela ambição, pela fama ou até mesmo pelo desejo de ser a melhor, mas pelo facto de ter mais energia, mais espírito e mais paixão pela modalidade do que ela alguma vez conseguirá controlar. E o mundo tem de saber.

Obrigada por lerem a minha história. Vemo-nos em França. A Mallory Pugh veio para ganhar."


In Mallory Pugh's Own Words

Sonha connosco

Sonha com a Mallory e com toda a seleção nacional feminina dos EUA durante o campeonato mundial deste verão com o equipamento mais recente.