Prolongámos o nosso período de devolução para 60 dias. Saber mais

Última atualização: November 9, 2020
Por trás do design: ACG Smith Rock

Behind the Design: Smith Rock

As coisas poderiam ter sido diferentes se soubéssemos que a neve ia ser tão forte a ponto de o Governador acabar por declarar o Estado de Emergência devido a mais de meio metro de neve molhada a acumular-se em fevereiro no deserto do Oregon. É assim a vida selvagem. É difícil. É selvagem.

Por trás do design: ACG Smith Rock

Tinha estado a nevar de forma contínua quando partimos para a nossa viagem de inspiração a Smith Rock. Estávamos determinados a deixar para trás as luzes do escritório, respirar um pouco de ar fresco e explorar o exterior para nos inspirarmos para a próxima época da ACG. No verão anterior, os incêndios florestais tinham destruído a passagem estreita que vai de Marion Forks a Black Butte e de Sisters a Smith Rock. A única forma de lá chegar nesse mês de fevereiro era pelo monte Hood, o ponto mais alto do Oregon.

Destemidos, nove de nós reunimo-nos nessa manhã num parque de estacionamento gelado da Nike. Designers de calçado e vestuário, pessoal do marketing, designers de marca e representantes de vendas distribuídos por três carros partiram da sede da Nike em Beaverton, passando por cidades como Zigzag e Rhododendron no sopé do Mount Hood. Fora de Government Camp, começava a nevar intensamente.

Por trás do design: ACG Smith Rock

Depois de ver alguns semirreboques virados na berma da estrada, decidimos que o melhor seria seguir os sinais na berma da estrada que indicavam, "USE CORRENTES DE NEVE." De joelhos na berma da estrada, com carros a passar a alta velocidade no asfalto gelado, tentámos decifrar as instruções das nossas correntes de neve: verifique o formato de losango, avance 4,5 metros para a frente, aperte novamente. Convencidos de que as correntes resistiriam e nos garantiriam a tração adicional de que precisávamos para atravessar a montanha no meio de um nevão, seguimos em frente.

Por trás do design: ACG Smith Rock
Por trás do design: ACG Smith Rock

Foi um percurso lento. A tarde avançava à medida que atravessávamos o rio Deschutes. A velocidade máxima recomendada com correntes de neve era de 40 quilómetros por hora e a visibilidade limitada fazia com que avançássemos ainda mais devagar. Quando o grupo chegou finalmente a Smith Rock, o sol já se escondia por trás das nuvens do ocidente.

Geralmente, Smith Rock é banhado pela luz do sol. Esta zona alta do deserto do Oregon tem mais de 300 dias de sol por ano, por isso, ver este monólito coberto por vários centímetros de neve é algo surpreendente. Inicialmente, tínhamos planeado fazer uma caminhada agradável denominada "Misery Ridge" à volta do lado noroeste de Smith Rock, com uma rápida elevação adicional de 220 metros, da qual, num dia bom, é possível ver montanhistas e slackliners no famoso percurso de escalada de Monkey Face. No entanto, devido ao mau tempo intenso, os trilhos estavam fechados.

Por trás do design: ACG Smith Rock

Algumas pessoas poderiam ficar desmotivadas ao descobrirem depois de sete horas de viagem que, afinal, o seu objetivo estava fechado. Porém, não foi o nosso caso. Depois de horas no carro, só o facto de estar no exterior era uma recompensa. A atmosfera no sopé de Smith Rock era de outro mundo, enquanto a neve que pairava no ar abafava todos os sons e um cavalo avançava com as patas enterradas na neve até aos joelhos. A luz parecia brilhar no chão coberto de gelo. Corremos na neve, fizemos anjos de neve e fizemos guerras com bolas de neve. Afinal, o nosso objetivo era mergulhar na atmosfera de Smith Rock e aprender com aquilo que víamos e sentíamos ao longo do percurso.

Por trás do design: ACG Smith Rock
Por trás do design: ACG Smith Rock

Com a luz a desvanecer rapidamente, regressámos ao nosso alojamento ao final do dia, um alojamento rústico na margem do lago Suttle, localizado entre o Mount Jefferson e o Three Fingered Jack, um vulcão inativo que deve o seu nome a um rude garimpeiro dos tempos do início do território do Oregon. Com as luzes dos faróis, começávamos a vislumbrar o nosso alojamento, quente e acolhedor. À medida que entrávamos num parque de estacionamento praticamente vazio, a neve continuava a acumular-se nos pneus e levámos os nossos sacos para a entrada.

Por trás do design: ACG Smith Rock

Na zona mais selvagem do Oregon, a rede móvel é fraca e, devido à neve intensa, o Wi-Fi do alojamento estava indisponível. Embora fosse difícil não podermos contactar os nossos familiares para lhes dizer que tínhamos conseguido ultrapassar a tempestade, existia algo de especial em estarmos completamente isolados do mundo exterior. É muito fácil distrairmo-nos e não vermos aquilo que temos à nossa frente enquanto navegamos continuamente na Internet e percorremos as redes sociais. Por vezes, é importante desligar e centrar as atenções no mundo natural.

Por trás do design: ACG Smith Rock

Como continuava a nevar à noite, cumprimos uma tradição dos dias de neve: acender a lareira e descontrair. Acompanhados com algumas bebidas bem quentes, reunimo-nos no bar e partilhámos algumas ideias e observações do dia. Ao comparamos as notas sobre o desempenho do nosso equipamento tanto na estrada como ao enfrentar as intempéries, obtivemos novas perspetivas sobre desempenho e debatemos novas formas de melhorar os produtos ACG para a próxima época. Depois de falarmos sobre design, passámos para a zona de lazer do alojamento onde encontrámos uma estante cheia de livros, desde romances volumosos a guias sobre vida selvagem. Isolados do mundo exterior, começámos a ler para o grupo em voz alta, selecionando os títulos aleatoriamente. Para algumas das pessoas foi a primeira viagem com a ACG, enquanto outras já participavam há anos. Ter a possibilidade de desligar do mundo exterior, estar presente e passar momentos de diversão com a equipa de design era, de certa forma, tão importante como partilhar opiniões sobre produtos e funcionalidades. Criava ligação e coesão entre todo o grupo.

Por trás do design: ACG Smith Rock

Queríamos mostrar-te o futuro do calçado ACG. A equipa jurídica da Nike não nos deixava :(

Depois de tomarmos o pequeno-almoço na manhã seguinte, reunimo-nos novamente na zona de lazer para outra sessão de inspiração. Desta vez, todos trouxeram os seus sacos e, à vez, apresentámos o equipamento que tínhamos levado para a viagem, debatendo qual o equipamento do qual nunca poderíamos prescindir, que equipamento levámos que acabámos por não usar e mostrando equipamento que acreditávamos que era único. Ao circularmos pela sala, ouvimos histórias de experientes exploradores do exterior e especialistas de vida urbana, cada um partilhando a sua perspetiva sobre aquilo que é importante quando se vai para o exterior. Através deste pequeno jogo de contar histórias, começámos a reconhecer padrões, desenvolver novas ideias e definir a direção para a próxima época do equipamento ACG.

Por trás do design: ACG Smith Rock

Ao sairmos do parque de estacionamento, todos tínhamos um sentimento palpável de ligação entre os elementos da equipa. Todos sentíamos as energias reabastecidas à medida que nos fazíamos às estradas cobertas de neve de Portland, preparados para transportar para a mesa de desenho o que aprendemos uns com os outros e no tempo que passámos no exterior. É por este motivo que o processo de design deve ser feito no exterior. Vês coisas que não verias em estúdio. Consegues estabelecer ligação com o ambiente e obter a sua energia, compreender os seus desafios e refletir sobre a sensação de experienciar um local com todos os teus sentidos. Podes testar teorias, partilhar ideias e usufruir da energia coletiva das pessoas e do local.

Quando estabelecemos ligação com um local para criar algo novo, falamos com esse local. Os locais que escolhemos para nossa inspiração são locais selvagens, a magia agreste do mundo exterior. Quando falamos com o mundo exterior, falamos com a Terra e a Terra fala com todos nós.