Avançar para o conteúdo. (Prime Enter)

Prolongámos o nosso período de devolução para 60 dias. Saber mais

The Kop: tradições antigas, sangue novo

A arte de Anfield

O Spion Kop 1906, formado em 2013 para ajudar a organizar exibições de adeptos como um dos grupos não oficiais que se consideravam alguns dos atuais guardiões da The Kop. A The Kop foi construída em 1906 e o seu nome remete para uma batalha na Guerra do Bóeres, na qual muitos naturais de Liverpool morreram numa colina íngreme chamada Spioenkop. Anos mais tarde, a parte inferior da The Kop de Liverpool transformou-se num ícone cultural único.

Conversámos com um membro do Spion, o Sam Evans, sobre a importância das suas emblemáticas faixas que desempenharam um papel fundamental na identidade e no sentido de propósito do grupo. Neste fanzine, terás não só a oportunidade de conhecer a história do grupo, como também a paixão e o compromisso que os membros trazem ao Kop.

The Kop: tradições antigas, sangue novo

Proteger a tradição e a identidade

"Nós sempre tivemos a nossa própria identidade e fomos sempre diferentes nesse sentido. Eu cresci a ver vídeos do Kop com o meu avô e os meus tios na última bancada do coletivo. O Kop sempre manteve a postura e eu acho que é importante passar isso às gerações mais jovens. É a identidade única do Liverpool. Temos as caraterísticas de solipsismo, da própria cidade e da política que contribuem para tudo isto."

The Kop: tradições antigas, sangue novo

Criação das faixas

"Adotamos uma abordagem democrática quando criamos as faixas. Somos um grupo de homens e mulheres, todos amigos, com ideias semelhantes. Assim que é feita uma sugestão e há pessoas que a apoiam, o projeto começa a avançar. Nesse aspeto, penso que temos muita sorte."

"O sentido de humor desempenhou sempre um papel importante na identidade do Kop, obviamente. É uma das caraterísticas mais conhecidas do grupo e, por isso, é importante que as faixas sejam divertidas: fazer pouco dos teus rivais, por exemplo, onde quer que haja jogos, tanto em casa como fora."

"Penso que as coisas importantes que tens de ter em atenção são, em primeiro lugar, se a tua faixa é apelativa: tem de chamar à atenção do público. Em segundo lugar, penso que é necessário que tenhas as tuas próprias ideias. Não queres andar a copiar as ideias dos outros. Tem de ser algo único para ti e para o que o teu clube representa. Em terceiro lugar, deve ser feito à mão. É essa a tradição. É assim que o teriam feito no passado e, por isso, temos de preservar a história."

The Kop: tradições antigas, sangue novo

O melhor no espetáculo

"Das faixas que criámos, a minha favorita é a que utilizámos no jogo em Manchester City. Foi mesmo importante. Representava as quatro vitórias que tivemos a nível internacional. Vê-la a aparecer na televisão e a captar a atenção da imprensa foi um momento de orgulho para todos nós."

"A relação dos jogadores com os adeptos é fundamental. Conseguir criar uma boa ligação através das faixas com as pessoas, tanto os jogadores como os outros adeptos, é uma sensação fantástica."

The Kop: tradições antigas, sangue novo

De olhos postos no futuro

"Eu não acho que o Spion Kop 1906 tenha sido formado para criar ou manter uma atmosfera. Acho que foi estabelecido para manter vivas as tradições que o Liverpool Football Club representa. É importante que pessoas com ideias semelhantes como nós trabalhem juntas para o mesmo objetivo. O nosso trabalho no Kop é manter as tradições e conseguir que os jovens se juntem, para que o grupo não desapareça. É esse o futuro."